sábado, 11 de fevereiro de 2012

Saudade...




“No rótulo dizia: “Cuidado Amor” - um comprimido ao dia.
Venda sob prescrição médica.
Tomei o vidro todo. No hospital o diagnóstico foi: tentativa de suicídio.
Mas ninguém havia me perguntado nada.
…era só uma tremenda saudade.
Só isso.”

Michelle Trevisani




E quando a vontade é de sentir o cheiro?


A diferença da textura do cabelo pra textura da pele?
 
A mão espalmada na bunda? 
A respiração, o gemido, o suor, o mijo quente que acaricia 
a pele, o gosto.
A boca bem delineada, quiçá esculpida pra puro deleite e tentação.
A língua gostosa que meteu-se nas páginas do livro mais particular.
A mão que fez cócegas em minhas costas, que me asfixiou.
O corpo que lambi e que me fez gemer de antecipação.
A voz que entrou em mim dizendo coisas que nem ouso reproduzir.
O pé que beijei, que me prostei para reverenciar.
Aquele rastro de pêlos macios que são macios e me enrosco.
A maciez e a rigidez do seu membro duro, aquela que só dá pra sentir com a boca.

Sim. Tenho saudade.

Mas saudade é que nem comprimido. É ruim, difícil de engolir... Mas um belo dia, você descobre que vai até com pouca água.

E como comprimido grande, vou te mastigar saudade. Você é amarga e parece não ter fim, mas um dia te engolirei, com a devida cara feia.


Ou você me engolirá. Quem pode saber?


{lualiz}_Dom Wolfman

Um comentário:

Tah disse...

Ahhh q dó dessa menininha !!!

Te entendo amiga...
a saudade é o pior castigo q há, nada é tao dolorido como a saudade "/
Belo texto
adorei
seu blog lindo como sempre né?!!!

lindonaaaaaa
bjos